Safari no Windows: Mais um grande fracasso da Apple

Standard

O Que eu mais gosto na Apple são seus fracassos. Em 48hs o Safari teve só UM MILHÃO de downloads é definitivamente um fracasso global, retumbante estridente. Caso você não tenha percebido, estou sendo irônico. Só para vocês terem uma referência de comparação, o Firefoz 1.0 levou 5 dias para passar essa marca.

Mais uma vez a Apple mostra a enorme legiões de fãs que possuí no mundo Windows e corrobora uma coisa que vendo dizendo há muito tempo: Se a Apple lançar o MacOs para plataforma Intel/Pc será um sucesso extrondoso de vendas.

Mas, e o Safari? Pergunta a impaciente leitora.

A versão liberada é um poço sem fundo de bugs, é mais lento que o IE e que o Firefox, não possuí as funcionalidades do último e nem a base instalada do primeiro. Em menos de 2 horas depois do lançamento os blogs de tecnologia do mundo inteiro já estavam dizendo tudo isso que eu disse. E isso não fez a menor diferença. A Apple publicou uma versão com algumas correções e Bam!!! Temos mais um Browser disponível.
Se você é usuário comum, não desenvolve nada nem é fanático pela Apple, o download não vale a pena.

A verdadeira questão é: Por que a Apple lançou o Safari para Windows? A resposta é mercadológica e não tem nada a ver com o seu desktop. Tem a ver com seu bolso. Ou melhor, com aquilo que a Apple quer colocar dentro do seu bolso, O iPhone.

o iPhone é o grande lançamento da Apple para 2007 e as expectativas quanto ao seu sucesso são grandes. Aparentemente o iPhone será capaz de executar aplicativos baseados em Javascript compatíveis com o Safari. Na verdade, já que Steve Jobs descartou o java como plataforma de desenvolvimento para o iPhone restaram poucas opções de desenvolvimento disponíveis. Não por falta de capacidade das outras linguágens disponíveis, mas por uma questão mercadológica. A Apple não vende e até hoje nõa vendeu nenhuma solução de desenvolmento de primeira linha para nenhum dos seus produtos com excessão única e exclusiva dos MacOs antes deste ter um X no nome. Época em que a Apple mantinha com mãos de ferro todo o controle possível e imaginável sobre o hardware e software dos seus produtos.

O Sucesso do iPhone não depende da Apple. Steve Jobs sabe disso. Ele sabe que o sucesso depende da qualidade, da quantidade e do custo dos aplicativos que serão desenvolvidos para o iPhone. E nesse quesito seus concorrentes têm uma cabeça na frente. Os dispositivos concorrentes ou são desenvolvidos sobre o Windows CE ou são capazes de executar aplicativos Java. Muitos celulares já são capazes de executar jogos, aplicativos e até voip em java.

Liberando o Safari para a plataforma Windows a Apple tenta reverter essa situação. De saída ela permite que todos os 8 Milhões de desenvolvedores que a Microsoft alega ter sejam capazes de testar o Safari. Mas não é só isso.

O Safari é um browser e é a plataforma básica do iPhone. Isso quer dizer que qualquer um dos Milhões de desenvolvedores web, espalhados por todo o planeta, serão capazes de testar seus aplicativos no iPhone sem sequer comparar um iPhone. Se os aplicativos feitos em javascript em um ambiente Windows rodarem perfeitamente no iPhone a Apple terá, simplesmente, a maior comunidade de desenvolvimento do planeta a custo muito baixo.

Os bugs e a lentidão do Safari contam muito pouco, são problemas menores que serão resolvidos em poucos dias, semanas no máximo. Mas mesmo que não o sejam, o Sr. Jobs está contando com a mídia, o mindshare e com o encantamento que a Apple desperta para provocar uma tsuname de aplicativos para o iPhone e que esses aplicativos ajudem a alavancar as vendas do iPhone.

Caramba! como eu gosto dos fracassos da Apple!