Robôs Coreanos invadem univesidades estadunidenses

Standard

Na primeira grande venda deste tipo, o  Hubo 2 , robô humanoide produzido na Coreia do Sul foi comprado por sete grandes universidades estadunidenses. MIT, Pennsylvania, Purdue, Carnegie Mellon, USC, e Virginia Tech são algumas da Universidades envolvidas na primeira grande transação comercial envolvendo robôs humanoides deste porte.

Trata-se de um robô com 1,25m de altura, pesando 45kg, avaliado em 3.4 milhões de dólares que foi desenvolvido para pesquisas em robótica.  Ou em outras palavras, um kit de desenvolvimento metido a besta. Graças a este sucesso de vendas, o ministério do conhecimento e economia da Coreia do Sul já anunciou pesados investimentos para retirar o atraso de 2.5 anos que o país acumula em desenvolvimento tecnológico na área de robótica se comparado com países mais avançados.

Dois e meio anos de atraso? Como diabos será que se calcula isso?

A importância desta venda, para nós meros mortais, é a difusão de tecnologia que pode provocar. Desenvolver um robô humanoide, além dos esforços de programação e eletrônicas envolvidos inclui um esforço fenomenal nas áreas de mecânica e usinagem. Pegar um kit pronto, com toda a mecânica funcionando e permitir que um grande número de programadores e engenheiros eletrônicos possam brincar com ele aumenta as chances de sucesso desta tecnologia. Tornar simples, geralmente torna possível. Foi mais ou menos isso que tentei lá em 2004 quando passei o ano inteiro visitando universidades brasileiras tentando convencer nosso doutos docentes a adotar o software livre para projetos de eletrônica e para o desenvolvimento de programas. A ideia era a mesma, pegar algo barato, simples e pronto, para permitir que nossos estudantes desenvolvessem tecnologia até em casa. Não colou. Fiquei com a impressão que faltava a comissão.

Quantos anos você acha que estamos atrás em desenvolvimento de tecnologia?

Eu tentei resistir. Foi mais forte que eu. Eu tenho que terminar pedindo, pelo amor de Deus, o telefone da Sarah Conor!.

Notícia original