Religando a Medula espinhal partida

Standard

Em um grande avanço científico, será publicado um estudo da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego onde pesquisadores indicam que é possível regenerar axiônios partidos de forma que estes retornem a sua função original depois de uma lesão na medula espinhal.

Há anos os cientistas acreditam que seja possível regenerar os condutores nervosos da medula espinhal, chamados de axiônios, mas restava uma dúvida. De um lado da medula partida, o lado ligado ao cérebro existem milhões de axiônios, do outro lado, o lado ligado as funções motoras e sensoras do corpo existem outros milhões. Como seria possível regenerar um axion de forma que este encontrasse exatamente a terminação correta.

Usando ratos, os cientistas de Universidade da Califórnia em San Diego conseguiram regenerar alguns axiônios partidos e direcioná-los ao par correto, usando uma espécie de hormônio do crescimento específico do sistema nervoso chamado de neurotrofina-3 (NT-3). A regeneração requer a criação de uma ponte celular na região afetada da medula espinhal para dar suporte físico ao crescimento do axiônio e um estímulo condicionador para ligar os genes certos e forçar o crescimento.

Usando tecnologia de imagem de alta resolução foi possível notar que os axiônios que atingiram o alvo criaram todas as estruturas necessárias a passagem dos impulsos elétricos corretos. Contudo, não ouve atividade elétrica. Aparentemente por que os novos axônios não estão cobertos com mielina a substância gordurosa que serve como isolante elétrico no sistema nervoso.

A regeneração de um axiônio completo é complexa e requer várias fases, apesar da mielina já ter sido criada anteriormente em outras pesquisas o estudo atual é referente apenas ao direcionamento correto dos axiônios partidos. Um grande passo em direção a restauração completa da medula espinhal partida.

A pesquisa foi liderada por Laura Taylor Alto e será publicada no dia 2 de agosto na revista Nature Neuroscience.

Notícia Original