O quê a Saúde Pública de Curitiba tem a ver com a Tragédia de Santa Catarina

Standard

A tragédia da TAM, a tragédia de Santa Catarina e os problemas de atendimento em público em Curitiba estão relacionados de uma forma sutil e insidiosa. Presos em um circulo vicioso de corrupção e negligência resultado de um sistema político corrupto e ineficiente e acima de tudo mentiroso.

Nos últimos dias recebi um grande número de e-mails de amigos e conhecidos me pedindo para ajudar nos esforços que estão sendo feitos heroicamente pela defesa civis e corpo voluntários para resgatar um pouco do que foi perdido nas últimas chuvas em Santa Catarina. Doando dinheiro ou comida para ajudar as vítimas. Tenho amigos queridos e parentes na região de Blumenau e sei as dificuldades que estão passando. Se puder doe, ajude e leia esse texto, talvez possamos fazer mais.

Cenário de Guerra
photo credit: Cristian Janke

Uma dessas famílias não teve sua casa danificada e estão hospedando três outras famílias de vizinhos que perderam tudo. Ilhados, sem água, sem comida, usando a garagem para armazenar os móveis e pertences que sobraram das vítimas da chuva.

Não tiveram grandes perdas materiais, ninguém morreu, ninguém ficou perdido na enchente mas, seus filhos jamais esquecerão o barulho das casas desabando ou os gritos de socorro e desespero durante a noite escura e solitária. Tiveram sorte, muita sorte. Outros, menos afortunados viram o pai morrer tentando resgatar a mãe da enchente ou a filha ser soterrada a dois palmos de distância.

Nos últimos dias um amigo faleceu, tinha câncer de fila. Uma doença muito comum que assola Curitiba. Começa assim: Você tem uma dor surda, nem muito forte nem muito aguda, chata. Suporta um dia ou dois, a dor não passa. Está ali baixinha, o tempo todo. Desiste e vai ao posto de saúde. Descobre que precisa de um especialista. Pronto está diagnosticado o câncer de fila. Todos os anos essa doença mata vários pais de família, mães, filho e filhas de famílias que não tiveram sorte. Meu amigo morreu de derrame. Pressão alta. Aguardava um cardiologista. Fizemos uma vaquinha para pagar o enterro.

Certamente você se lembra do vôo da TAM que caiu em Congonhas. Pobre gente sem sorte. Vôo errado, dia errado, pista errada e avião errado. Sem dúvida nenhuma, na história recente do Brasil, são os campeões absolutos da falta de sorte.

Pobre da nação que sofre com tanta falta de sorte. Pobre da nação que acredita nisso.

Há mais ou menos vinte e cinco anos, essa mesma região de Santa Catarina sofreu este mesmo problema. A repercussão e a tragédia foram exatamente as mesmas. Não se lembra? Eu lembro. Não era nascido? Eu era. Não posso precisar a data exata, mas lembro, como se fosse hoje, das imagens.

dá pra viver assim?
photo credit: _titi

As mesmas imagens do Rio Itajaí transbordando. Os mesmos depoimentos de pais chorando a perda dos filhos. A única diferença é que hoje as cidades são maiores. Morreram mais pessoas. Esta tragédia de agora, foi anunciada, era perfeitamente previsível. Evitável. Não o foi por simples descaso dos governos. Vários governos, de vários partidos. Vinte e cinco anos de descaso.

Encostas não caem, são derrubadas pela negligência. Rios não transbordam são bloqueados pela corrupção. Pontes não caem são derrubadas pela incompetência.

Esse acidentes naturais são previsíveis podem e devem ser evitadas é para isso que você dá quase 40% de tudo que você ganha para o governo.

O câncer da fila tem tratamento profilático. Basta combater a origem da doença mas, o remédio é amargo.

Que faltam médicos é a primeira desculpa. A mesma prefeitura que não tinha médico para atender meu amigo gastou em 2008 R$ 24 Milhões com publicidade sobre o seu governo, valor equivalente a 10% do total que foi gasto com saúde pública. Parece pouco? Teria salvado a vida de dezenas de pais de família.

Só para saber: Por que diabos um governo precisa fazer propaganda? Qualquer governo. Fui retórico, não precisa responder,  eu sei o porquê.

Contratar mais médicos é a solução obvia e fácil, simpática, restritiva, temporária e impossível. A solução definitiva é um sistema de saúde que privilegie a prevenção. Programas de emagrecimento, educação alimentar, ginástica, saneamento básico. Essa é a típica idéia que os políticos adoram vender quando em campanha. Acredita nisso? Eu não!

Eu acredito que o que vai resolver é um sistema de saúde integrado que permita que o cliente possa agir como fiscal e punir os funcionários relapsos e ineficientes, mesmo que sejam funcionários públicos. Principalmente se forem funcionários públicos. É aí que o remédio fica difícil de engolir.

Um sistema que permita retirar do atendimento municipal as clínicas de especialistas que colocam os clientes dos SUS em bancos de madeira e os clientes particulares em poltronas de couro. Um sistema que retire do atendimento público o médico que agenda cirurgia para o horário em que deveria atender no consultório e deixa 30 pessoas sem atendimento. Algumas das quais esperaram 12 meses por essa consulta. Um sistema que permita retirar do atendimento público os médicos que deveriam começar a atender às oito horas da manhã e chegam às doze.

Atendimento em posto de saúde curitiba
photo credit: Frank Alcantara

Veja a minha foto. A certa altura havia quarenta pessoas, mulheres, velhos e crianças aguardando atendimento nessa clínica de oftalmologia. Nesse espaço que ai está. QUARENTA.  Levei duas horas para voltar com a câmera e só faltava atender os que estão na foto. Quase inacreditável!

Tudo isso é muito comum, já aconteceu comigo. Provavelmente já aconteceu com você. Tudo isso aumenta a fila e não custa nem 10% do que foi gasto com publicidade para ser resolvido. Implica apenas em comprar briga com os sindicatos dos médicos e dos funcionários públicos em um país onde mandar um funcionário público que está lhe atendendo mal catar coquinho é crime cuja lei está estampada na grande maioria dos postos de atendimento público deste país. Não é para intimidar o cidadão é apenas para informar. Aqui ignorância também é crime apesar disso, falta escola.

Não me entenda mal. Não é culpa dos médicos ou dos funcionários públicos, existem excelentes médicos e excelentes funcionários públicos e eles também são vítimas, digo cidadãos. Por sua vez, Curitiba tem o melhor sistema de atendimento a saúde pública do Brasil. Não basta! É um lixo. Será sempre um lixo enquanto morrem cidadãos na fila de espera. Morrer na fila. Morrer na fila. Quase inacreditável.

Nem vou gastar o seu tempo falando da tragédia da TAM. Estão indiciados alguns diretores da ANAC, Infraero e funcionários da TAM em um crime menor. E os outros? O Ministro? Os Deputados? Os Presidentes do país e da TAM? Enquanto esses não forem diretamente responsabilizados pelos atos dos seus subordinados a coisa pública não vai atender as necessidades do povo. A legislação permite que os indiciados o sejam em um crime menor. A legislação permite. Quase inacreditável.

:o)
Photo credit: Cassio P. Dias

Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição“. Primeira frase da nossa constituição, promulgada em 1998, pura mentira.

O povo não exerce poder nem via seus representantes nem diretamente. E não o exerce por que está preso em um sistema legislativo e judiciário criado para vender facilidades e não para devolver o poder que é seu. Seu não do povo, seu. Você é o povo. Democracia representativa uma ova. Mentira descarada. Você elege seus representantes que só representam os interesses próprios e não tem nenhum meio efetivo de atuar sobre eles. Quando muito, de tempos em tempos a mídia usa a opinião pública para defender algum ponto mais importante. É pouco! Muito pouco.

Cresci na ditadura. Meu primeiro emprego foi em 1979, época em que um barbudo, safado e comunista fazia greve no ABC paulista, época em que começamos a retomar a dignidade como nação. Lula? Isso lá é nome de gente? Dizia-se na época. Nome de presidente diz-se hoje. Lá se foram quase trinta anos e até hoje vivemos esperando o país do futuro. Não é culpa do Lula, nem do Fernando, nem do Sarney. A culpa é sua!

È você que pega quase 40% do seu salário e paga impostos e depois é solidário na tragédia. É você que trabalha cinco meses por ano só para pagar impostos e depois espera na fila. É você que depois de trabalhar cinco meses só para pagar impostos trabalha mais quatro meses para pagar pelos serviços que os impostos deveriam proporcionar e acredita que a culpa é da chuva.

Caiu uma barreira? Culpa sua! Seu pai morreu esperando atendimento no posto de saúde? Culpa sua! Sua filha foi assaltada chegando à escola? Culpa sua!

Violência, inundação, desabamento, trânsito caótico, saúde ineficiente, escola falida? Culpa sua! Sua! Sua e minha também. Precisamos e podemos mudar isso. Eu tenho uma humilde sugestão, sem mortes nem revolução. São apenas três simples passos.

  • Primeiro precisamos de um sistema de identificação nacional, com todos os números que representam o cidadão em todos os diversos níveis de governo substituídos por um número único, de preferência integrado com um sistema de identificação biométrico.
  • Segundo precisamos mudar o artigo da constituição que garante o direito do povo enviar projetos de lei para o congresso de forma a permitir que esses projetos possam ser enviados por meio eletrônico e as assinaturas de apoio possam ser recolhidas também por meio eletrônico.
  • O terceiro passo também implica em emenda constitucional. Os projetos enviados pelo povo devem ter prioridade sobre toda e qualquer outra atividade do executivo e legislativo.

Simples assim. Com três passos colocamos o poder na mão do povo. Pode me chamar de sonhador. Não me incomoda em nada, a companhia aqui é muito boa. Ou, você pode continuar sendo solidário na tragédia, lamentando a morte do pai dos outros, o assalto da filha alheia, o roubo do carro do vizinho… Sabe como é você tem sorte.