Nosso Universo pode não estar sozinho.

Standard

Astrônomos descobrem evidências de outros universos enquanto estudavam o ruído de fundo do nosso próprio Universo. Aparentemente estas colisões deixaram hematomas no nosso universo.

No mês passado, dois renomados astrônomos publicaram um trabalho mostrando evidências de nosso universo seria: Eternamente cíclico. Isto quer dizer que haveria um e somente um universo que teria sido criado a uns 14 bilhões de anos, terminaria em algum ponto e começaria novamente com um novo BigBang. Esta semana, um grupo de internacional de astrônomos (Stephen M. Feeney, Matthew C. Johnson, Daniel J. Mortlock e Hiranya V. Peiris1) resolveu jogar água na fervura e publicou um trabalho mostrando evidências do choque de um outro universo com o nosso próprio universo. Por assim dizer, encontraram um olho roxo.

 Radiação de Fundo mostra sinais de colisão com o nosso universo.

Observando a radiação de fundo através de  um algoritmo de deteção de borda eles foram capazes de encontrar sinais do choque entre nosso universo e um dos seus vizinhos. Se comprovado estes sinais indicariam que nosso universo está em um cosmo composto de um sem número de outros universos, Como se cada um fosse uma bolha, dentro de uma coisa maior, e estas bolhas, de vez enquanto se chocariam. Os próprios pesquisadores ressaltam que estamos no início da pesquisa, são muitos dados e a tecnologia que usamos para analisá-los ainda é precária.

De qualquer forma, do ponto de vista da astronomia, estamos assistindo uma final de campeonato. O cara DePijama toma a liberdade de lembrar da Gigantesca Face de Marte, que povoou minha infância com possibilidades diversas de civilizações perdidas e que acabou por ser apenas um problema de resolução. Um problema de avaliação precipitada da informação coletada.

Trabalho original, para aqueles afeitos a fórmulas, matemática e deduções científicas pode ser encontrado aqui.

Ps. Entrevistado o Universo disse que ele caiu e bateu com o olho na maçaneta da porta.