Molécula artificial se reproduz. Todos: Socorro!

Standard

Cientistas do Scripps Research Institute de  La Jolla na California, desenvolveram uma molécula artificial capaz de realziar uma das funções básicas do que chamamos vida. A reprodução.

Não falo de reprodução humana e nem mesmo de reprodução celular, falo de reprodução molecular. Algo que deve ter ocorrido na origem das primeiras moléculas que milhões de anos depois originaram as primeiras células. Para chegar ao nível de reprodução celular, por exemplo, ainda teremos uns bons nos de pesquisa. Ok, nada de pânico.

Molecule display
photo credit: net_efekt

Em vez de usar um RNA natural a equipe de Geraldo Joyce desenvolveu uma molécula de RNa nova chamada de R3C que realiza uma única função: Costurar duas outras moléculas de RNA para conseguir produzir uma cópia de si mesma. O processo evoluiu de forma que a R3C conseguiu um índice excelente de reprodução. Contudo, eventualmente a molécula atingiu um ponto onde não conseguia mais identificar o RNA necessário a sua clonagem. Foi ai que os cientistas resolveram intervir e redesenharam a molécula de forma que ela criasse uma molécula irmã (de RNA) capaz de juntar duas moléculas de RNA em um novo R3C. Em um processo chamado reprodução cruzada e … sucesso! A população dobrou a cada geração até que não existam mais moléculas de RNA disponíveis.

Não satisfeitos com isso, os cientistas resolveram incluir um processo de seleção natural na experiência, criando uma mutação na sequência de RNA dos blocos usados para a construção. O resultado foi a sobrevivência do mais forte. No caso, os mais fortes foram os que conseguiram fazer as replicações mais rapidamente enquanto existia material suficiente para isso.

Os cientistas são cautelosos e não admitem que conseguiram reproduzir em laboratório o processo que deu origem a vida como conhecemos. Mas é sem dúvida um passo importante.

A reprodução, como característica da vida, inclui além da sobrevivência do mais forte a mutação. Uma geração é diferente da anterior em um ou mais snips. Alguns levarão a extinção de cepas outros levarão a inteligência. Não chegamos lá ainda, sequer estamos no nível de DNA, mas em breve estaremos criando vírus em laboratório capazes de se reproduzir ao infinto. Certamente criados para combater alguma doença ou praga. Cheios da substância que pavimenta o caminho do inferno: A boa intenção.

Agora sim! Pânico!

Notícia Original