Itaipu lança a BostoBras. Dejetos de Porco para gerar energia.

Standard

Há muitos anos acompanho a Itaipu não só por que eles têm um trabalho incrível de suporte ao software livre ou pela grandiosidade do projeto de engenharia mas também pela grande responsabilidade ambiental que a empresa está desenvolvendo ao longo da sua história. Posso citar, sem medo de errar, os programas Água Boa e o carro elétrico como dois dos programas mais importantes do Paraná.

O Sr. Jorge Samek, Diretor Geral – Brasileiro, em entrevista ao Documento Especial destacou a BostoBras, usando um tom de brincadeira e deixando escapar uma importante notícia sobre um programa de geração de energia através do uso de dejetos suínos.

Os dejetos de 2 milhões de porcos que estavam contaminando os nossos lençóis freáticos e a nossa represa, agora viram biogás e em 2010 a Copel já estará comprando energia dos produtores de suíno….essas propriedades podem produzir de 0,5 a 1 megawat. Parece pouco, mas com 14 mil propriedades produzindo 2MW, “nós já temos o potencial instalado de uma Itaipu.

Talvez seja por isso que há muitos anos usamos porcos como metáfora para cofres… 🙂

Certamente o custo de produção desse tipo de energia é maior que o custo da energia produzida atualmente. Devido a capilarização da rede, dos sistemas de controle e estabilidade e devido ao custo inerente as novas tecnologias. Contudo, esse tipo de energia, que ajuda a conservar o meio ambiente impedindo a contaminação por um dos dejetos mais tóxicos encontrados em produções animais mas também pode se tornar uma respeitável fonte alternativa de energia para o Oeste Paranaense. Muito boa notícia.

Podemos ir além

A poluição proveniente da produção agrícola é um grande problema ambiental mas não podemos esquecer a poluição urbana. O Iap vai começar a multar os prefeitos, e não as prefeituras, que não encontrarem soluções para o lixo das suas cidades. As soluções estão aí, disponíveis. Uma muito bom é a criação de Usinas de Reciclagem que além de reciclar lixo geram energia elétrica.

O Sr. Samek, mais que qualquer um, pode ir além. Pode fazer uso da força política que o cargo lhe concede e provocar essa discussão entre as cidades lindeiras.

Imagine uma usina de reciclagem de cada lado do Paranazão recolhendo o lixo produzido na região e gerando mais energia na rede.

Se conseguir, o Sr. Samek pode entrar para história como o homem que salvou o Oeste do Paraná.