A forma como a versão nova do algoritmo de classificação de páginas do Big G está penalizando a existência de conteúdo duplicado ainda está provocando dúvidas. Este fim de semana recebi três e-mails sobre o mesmo tema. Discuti isso, internamente com a equipe de SEO da VI Solutions, e resovi que esta é uma boa oportunidade para escrever sobre o que já sabemos sobre este novo algoritmo.

Para ter uma noção melhor do que está acontecendo, precisamos ter algumas coisas em mente. Lembre que o que nos interessa aqui é que nosso conteúdo apareça nos primeiros resultados da serp (página de resultado de busca). E gere muito tráfego e muitos negócios este é o segredo do web marketing.

Conteúdo repetido pode prejudicar seu site

Imagem de: Paloma Gómez

Desde que o Google é Google que ele se baseia na nossa forma de interligar as páginas web para ordenar o resultado da busca. Esta ideia genial tem alguns problemas. O maior deles é que se baseia na integridade humana. Se um grande número de autores criar links de forma artificial, com intuito meramente comercial a qualidade do resultado das buscas cai.  Graças a isso, o Big G, simplesmente não detalha os algoritmos, valores e processos envolvidos na classificação das páginas. Imagine que, sem saber exatamente como é existem tantas técnicas de black hat SEO que dão certo. Se soubéssemos exatamente o que fazer a qualidade dos resultados das buscas seria muito pior do que já é.

O que eles podem dizer, e repetem isso a exaustão, é que a intenção de modificar os algoritmos de classificação é garantir que os autores que não respeitam as regras de publicação, sejam penalizados no resultado das buscas. Ou, em poucas palavras, acabem na página 10. J

Uma das regras de publicação mais importantes é: “Don’t create multiple pages, subdomains, or domains with substantially duplicate content.” Ou, em bom português: Não crie páginas, domínios e subdomínios múltiplos com conteúdo substancialmente duplicado.

Você não pode repetir seu conteúdo entre páginas, domínios ou subdomínios. Esta repetição será penalizada pela versão Penguin do algoritmo de classificação. Como, exatamente, ninguém sabe mas centenas de sites indicaram perda de tráfego. Descartando as técnicas de seo negro ficamos com dois erros muito comuns.

No seu blog

Muitos sites são baseados nas plataformas criadas para blogar. Notadamente, no WordPress. Estas plataformas, para melhorar a interação com os usuários, criam arquivos de histórico e páginas de categorias. Que, em última análise, são apenas endereços diferentes para o mesmo conteúdo.

Você precisa remover estes endereços do Google, indicando ao robô de ele deve ignorar estes endereços. Use, por exemplo, o .htaccess para criar redirecionamentos do tipo 301 (permanente). Ou, se for o WordPress, você pode usar o Yoast WordPress Seo plugin que permite que você especifique exatamente quais áreas do seu site serão indexadas ou não.

Na sua empresa

Não contrate os serviços de copywriter genéricos. Seja específico e exija exclusividade. Um dos meus clientes contratou uma empresa de marketing para adicionar conteúdo no seu site. Esta empresa publicou uma centena de artigos na área de blog do site do cliente. Duas coisas aconteceram: Os artigos, apesar de bem escritos não possuem conteúdo capaz de gerar tráfico. Ninguém se deu ao trabalho de fazer uma análise de palavras chaves, keywords, sobre o tema. Logo, os artigos não geram tráfego. A segunda é mais grave. Estes artigos foram vendidos para dezenas de empresas e estão disponíveis em centenas de endereços web. Além de não gerar tráfego, está penalizando o site do cliente.

Neste caso, a única solução é retrabalhar estes textos para diferenciar o conteúdo, tentar atrair algum tráfego ou, no mínimo parar de ser penalizado. É isso ou tirar o conteúdo do ar.

No Geral

Para evitar este tipo de penalização:

  1. Mantenha uma estrutura de links consistente. Se termina um link com / termine todos assim.
  2. Você deve escolher, de uma vez por todas, se prefere ser indexado como www.depijama.com ou como depijama.com. Se vai usar o www ou não no endereço das páginas do seu site. O .htaccess é um lugar excelente para garantir que todas as páginas do seu site serão indexadas da forma correta.
  3. Use o Webmasters Tools para definir junto ao Google como você prefere ser indexado.
  4. Evite grandes quantidades de texto repetido em todas as páginas. Copyright é um exemplo clássico. Inclua, por exemplo, uma referência, ou texto curto, em todas as páginas e um link para a página onde está o conteúdo completo.
  5. Se seu site, empresa, visa um mercado multinacional , use o domínios de topo de cada país. Use .com para os EUA, .co para o Reino Unido e .com.br para o Brasil, por exemplo.
  6. Minimize o conteúdo similar. Por exemplo, se você têm um site com algum tipo de portfólio com páginas que contém essencialmente o mesmo texto. Tente mixar estas páginas em uma única ou diferencie o conteúdo incluindo informações únicas a cada página.
  7. Não esqueça as versões para impressão. Alguns webmasters usam uma estrutura diferente de endereço para a versão adequada a impressão.

As penalizações

Finalmente uma boa notícia. Ninguém sabe exatamente quais são as penalizações ou se elas realmente existem. O que temos certeza é que como o robô de classificação não tem como saber qual o conteúdo que você gostaria que fosse apresentado nos resultados de buscas e o Google evita ter conteúdos duplicados na serp. O conteúdo que será apresentado pode não ser interessante para você.

Veja o caso do copywriter basta que um único site tenha um pagerank maior que o do meu cliente para que nenhuma das páginas com conteúdo, tão cuidadosamente adquirido, apareça no serp

Então, mesmo que não exista uma penalização oficial, nem automática nem manual, o seu site acaba sendo deslocado para os confins da serp.

Melhores práticas de SEO

Sempre que exista algum conteúdo duplicado, este conteúdo deve ser canonizado. Do ponto de vista do SEO isto quer dizer que as urls devem ser padronizadas e devem ser uniformizadas. As melhores formas de fazer isso são o redirecionamento do tipo 301, as urls canõnicas e o uso dos parâmetros de configuração do Webmaster Tools.

Redirecionamentos 301

Se seu servidor está no Apache, com linux, tudo o que você precisa fazer é incluir uma linha no seu arquivo .htaccess:

redirect 301 /diretorio/antigo_arquivo.htm http://www.lugarnovo.com.br/novo_arquivo.htm

A vantagem do redirecionamento é que se várias páginas com potencial de ranqueamento apontam para uma única página elas transferem parte deste potencial para a página destino.

Urls Canônicas

Uma outra forma interessante e muito valorizada pelo pessoal do Google é o uso da tag  rel=canonical

Esta tag transfere a mesma quantidade de potencial de ranqueamento que o redirecionamento e, frequentemente, é mais simples de ser implementada. Inclua a tag na parte head do seu arquivo html:

<link href=”http://www.seusite.com/versao-canonica/ ” rel=”canonical” />

Isto indica ao Google que a página em que a tag está no head deve ser tratada como uma cópia da página http://www.seusite.com/versao-canonica/ e que todos os links, e métricas de conteúdo devem ser aplicadas a url fornecida.

Parâmetros de configuração do Webmasters Tools

Este é exclusivo do Google, o Webmasters Tools contém uma série de parâmetros de configuração que permitem que você indique diretamente aos algoritmos de busca, como eles devem tratar o seu site, suas páginas e arquivos. Como é exclusivo do Google, estas instruções serão ignoradas por outros sites de buscas, como o Bing, por exemplo.

Para entender isso tudo melhor

Se você sabe inglês, a seguir estão alguns vídeos de Matt Cutts onde ele discute os problemas que podem ser causados por conteúdo duplicado.

A opção follow, ou nofollow está ganhado destaque entre as pessoas que estudam SEO, SEM e web marketing. Na minha última palestra, no WorldCamp Curitiba 2012, parece que a coisa não ficou muito clara. Este artigo retoma o tema, com mais detalhe.

como o nofollow pode afetar sua página

Imagem de: Jerry Reynolds

O atributo rel de um link pode receber o valor nofollow. Isto serve apenas para indicar aos robôs dos sites de busca que eles não devem seguir este link e, consequentemente, não indexar o site apontado através deste link.  Simples assim e só isso.

A quantidade de links que aponta para uma página web e que são apontados por esta página web ainda são importantes no cálculo da posição desta página nos resultados de busca.  A cada página possuí um valor próprio e quando uma página indica a outra, parte do valor da página indicadora é assimilado pela página indicada.

A ideia de colocar o atributo nofollow no link que, originalmente servia apenas para desencorajar os spammers, transformou-se, ao longo do tempo, em uma indicação importante para os robôs dos sites de busca. Não é difícil, basta incluir um rel=”nofollow”  dentro da tag link.

<a href=”http://www.depijama.com/” rel=”nofollow”>DePijama</a>

O Big G gostaria que os pobres autores e webmasters colocassem o nofollow em todos os links vendidos dos seus sites. A intenção é que cada autor, ou webmaster, use sua própria consciência para indicar que links devem ser seguidos pelos robôs. Uma forma de indicar a autoridade e qualidade de uma determinada página. Ou seja, se todos usarem o nofollow corretamente, os links que serão seguidos terão valor intrínseco melhorando a qualidade dos resultados apresentados para cada busca. E viva o Big G!

Como o uso do nofollow é explicito no Google Webmasters Guidelines e o uso inadequado de links pagos, e não marcados, pode implicar em uma penalização manual no ranking do seu site e, decesso contínuo nos resultados provocado pelo Penguin a maior parte dos editores, webmasters, autores e blogueiros em geral está marcando todos os links com o rel=”nofollow” preocupados que estão com o SEO dos seus sites depois do update Penguin. O que não pode ser bom.

Follow, nofollow o que isso causa no meu ranking?

  1. Muitos links com nofollow apontando para o seu site.

Explicitamente, no grupo webmasters central, o pessoal técnico do Google, declara que o número de links com rel=”nofollow” não afeta o pagerank de um site. Simplesmente porque os links com o nofollow são ignorados e não são computados. Faz todo sentido: Se o robô não segue o link, contar para quê.

  1. Muitos links com nofollow nas suas páginas apontando para fora.

Aqui, restam algumas dúvidas. Segundo se diz neste mesmo grupo e na internet em geral, esta situação não causará problema nenhum.

Preocupa-me este número dois.

O Google, desde sempre, de uma forma ou de outra, deu muito valor a sua opinião. Se todo mundo resolver que todos os links tenham nofollow, como o algoritmo irá determinar o valor de cada página? Será que isso preocupa?

Hoje, o percentual de links com rel=”nofollow” é ridículo. Tenho 1000000 de páginas em um banco de dados para avaliações e testes, atualizado nos últimos 10 dias e, nestas páginas não encontro nem 200 links com nofollow. Não são blogs, nem páginas de conteúdo acadêmico mas, dá uma ideia da proporção, já que o Google não divulga estas coisas. De uma forma ou de outra, se a proporção crescer eles terão que adequar os algoritmos de rank para corrigir este problema.

A atitude mais sensata é não colocar o nofollow em todos os links. Simples assim.

Use o seu bom senso e critério. Por exemplo, um link que aponte para a página de um produto, da Wikipédia, de um blog com conteúdo valioso, deve ser valorizado, não use o nofollow e deixe que os robôs saibam que você confia neste conteúdo. Em algum momento esta atitude consciente vai ser valorizada pelos algoritmos de busca e rank.

Se você usa o WordPress, como o pessoal da VI Solutions, dispõe de vários plug-ins para esta função. Um em especial merece sua atenção NoFollow Link. Trata-se de um plug-in que inclui um botão extra no editor que permite, quando um link é clicado, que o atributo rel=”nofollow” seja incluído automaticamente no dito link. Você pode fazer o download do NoFollow Link ou usar a tela de adicionar novo plug-in do seu blog.

Talvez, mais importante que o nofollow seja os problemas causados pelo conteúdo repetido mas, este fica para uma outra oportunidade.

Trabalhar na internet deve ser uma das atividades profissionais mais difíceis de hoje em dia. A internet é um bicho enorme de 7 cabeças que come tempo. Basta uma pequena distração e lá se vão duas ou três horas sem que você perceba. Para ter sucesso no web marketing primeiro, você precisa matar este bicho. Infelizmente, nenhum de nós é o Hércules mitológico que matou o bicho cortando todas as cabeças com um golpe só. Aqui na realidade chata e maçante não existe esta solução mágica.

Trabalhar efetivamente na internet para ter sucesso no WebMarketing

Imagem de: The Consortium

Não é possível ter sucesso na internet sem web marketing e não é possível fazer web marketing sem trabalhar online. Então, para ter sucesso no web marketing, e vender mais, é preciso trabalhar efetivamente na internet. Parece complicado? Fique tranquilo é complicado mesmo.

Por outro lado, algumas pessoas conseguem trabalhar online efetivamente sem desperdiçar tempo e, de vez enquanto, algumas delas conseguem até vender online. Conversei com várias destas pessoas ao longo dos últimos meses, informalmente, para descobrir como elas conseguem trabalhar efetivamente e ainda ter sucesso fazendo web marketing e dividi o conhecimento adquirido em três artigos. O primeiro, este que você está lendo, contém os 7 primeiros passos para trabalhar efetivamente online

  1. Aprenda a gerenciar seu tempo. Divida o seu dia em tarefas com horário para começar e para terminar. Os horários são fundamentais para o sucesso. Comece na hora marcada e termine na hora marcada mesmo que a tarefa não tenha sido concluída. Faça isso durante uma semana e reavalie seus tempos. Pode ser que a primeira divisão tenha sido muito otimista.  Uma forma inteligente de fazer isso é usar as tecnologias de gestão de projeto para organizar as tarefas do dia. O Asana é o que há de melhor nesta área, não só para gestão de tarefas em grupos mas para você também.
  2. Certifique-se que você é o dono do seu site, conteúdo e dados. Não é raro encontrar empresas na internet que estão desprezando seus maiores ativos. O maior ativo de um site é seu domínio. Invista em um domínio próprio, se é que ainda não tem um. Certifique-se que, a qualquer momento você possa trocar de hospedagem sem perder o domínio, sem perder seus dados e sem perder o design e as funcionalidades do seu site. Em geral, basta manter uma rotina de backup particular e ativa. Não confie no seu provedor para o backup!
  3. Poupe tempo gerenciando suas senhas. Assine um serviço como o Keepass ou 1password e o use o Dropbox. O Dropbox permite que você mantenha seus arquivos sincronizados em várias máquinas em todas as plataformas que consigo pensar e os gerenciadores de senhas, permitirão que você use senhas realmente seguras em todos os sites que frequenta sem que tenha que ficar memorizando senhas. Euzinho uso o 1Password, custou US$59,00 mas valeu a pena. Integrado ao Dropbox, tenho todas a senhas em um lugar seguro e só preciso memorizar uma.
  4. Analise seu analytics. O Google analytics, além de gratuito é uma das mais poderosas ferramentas de avaliação de tráfego disponíveis. Mas, não basta abrir o analytics e ficar olhado para ele. Estabeleça metas e configure o Dashboard para exibir o resultado destas metas. Estabeleça valores e acompanhe estes gráficos.  Certifique-se, principalmente, que o analytics seja seu. Você controle a conta. Se preciso for, crie uma conta no Google só para isso. Um dos meus melhores clientes teve que começar as análises estatísticas todas do zero só porque trocou de agência de web marketing e o histórico da sua empresa ficou com a agência anterior.
  5. Acompanhe o número serp das suas páginas. Não adianta digitar suas palavras chaves no Google e procurar sua página. Cada pesquisa é diferente e os novos algoritmos do Google farão com que sua página esteja melhor colocada para você. Eles levam em consideração, desde o que as pessoas que usam o computador procuram, até onde elas estão no mundo. Então você precisará de um serviço independente para isso. Use, por exemplo o WhatPageOfSearcheIAmOn, o nome é horrível mas o serviço é ótimo. Na opção avançada você pode escolher o google.com.br, por exemplo, e ver os resultados sem influência dos cookies nos seus computadores.
  6. Não espere ou acredite em milagres. Se, qualquer um, lhe prometer sucesso imediato em curto prazo e baixo custo, ignore! Isto é impossível. Web marketing é demorado, trabalhoso e caro. Não existe solução simples, não existe solução ótima e não existe solução barata. Demanda tempo, atenção e dinheiro. Muito mais tempo e atenção que o marketing tradicional e, geralmente, o mesmo investimento. Não basta colocar o site no ar, ele precisa ser acompanhado, testado, modificado, reescrito, testado e repensado constantemente. E, acompanhe pessoalmente. Uma das vantagens do analytics é que cada perfil pode ter vários usuários. Exija ser um dos usuários e acompanhe os resultados.
  7. E, principalmente, apenda a usar o Excel. O Excel é, por excelência, a melhor ferramenta disponível para avaliar dados. Sejam eles de que origem e formato. Aprenda principalmente tabelas dinâmicas e vlookup. Você não imagina o que pode fazer com estas coisas.

A busca e apreensão destas palavras chaves é o primeiro, e talvez o mais importante, passo para em uma estratégia de marketing online ou web marketing. Considere que o SEO, search engine optimization ou otimização para sites de busca, ainda é uma das formas mais efetivas de divulgar seu site, produto ou serviço. As palavras e termos que você escolher, as keywords, irão determinar o sucesso ou o fracasso do seu site, produto ou campanhas de divulgação. Não é fácil, mas está longe de ser impossível. Requer conhecimento do produto, tempo e muita, muita observação.

Busca de keywords pode determinar o sucesso de um site.Palavras chaves, as Keywords em inglês, são as palavras que os possíveis consumidores irão digitar nos sites de buscas. Sua estratégia de marketing online será efetiva quando seu site aparecer bem colocado nos resultados da busca por keywords específicas.

Já foi dito que a estratégia de SEO ideal deve ser invisível. O usuário, e principalmente os robôs dos sites de busca, não devem, ou podem, perceber a intenção do redator. Isso não impede que você use as keywords em títulos de página, cabeçalhos de seção, no texto apresentado e, preferencialmente, em áreas destacadas do texto.

Como encontrar as palavras chaves

Antes de qualquer coisa, entenda seu público e seu produto. Conheça profundamente seu linguajar, as palavras que são usadas diariamente em relação ao seu produto. Não será possível encontrar uma lista de palavras, keywords, eficiente se você não souber as palavras e expressões que as pessoas usam para seus produtos ou serviços.

Um dos meus clientes possui um curso de tecnologias web e treinamento em programação Linux. No site, originalmente com 50 páginas, não existia nenhum parágrafo com a expressão curso de Linux. Todos os textos estavam utilizando as palavras treinamento e aprender. Conversando com os alunos notamos que todos eles usavam “curso de Linux” e alterando os textos melhoramos as visitas no site em 300% em 20 dias.

Entenda seu público e faça uma lista das palavras e expressões mais utilizadas e interessantes.

Selecione as melhores Keywords

Ainda não dá para fugir do Google então, munido da sua lista de palavras, visite o Google Keywords Tool este serviço faz parte do Adwords, mas, você pode utilizá-lo para pesquisas mesmo que não tenha conta no Adwords. Não dá para fugir do Google por que o serviço é gratuito ainda assim, se você preferir um serviço pago pode usar o Keyword Discovery.

No Google Keywords Tool, observe o CPC de cada expressão que você selecionou. O CPC, ou custo por clique é um indicador do valor de cada clique nos seus anúncios no AdWords. Observe que, até onde se sabe, as keywords com maior CPC são aquelas que geram o maior número de conversões no AdWords. Maior número de conversões indica maior índice de busca. Use este valor, pelo menos para começar, como indicador da qualidade da sua Keyword.

Selecione os termos ou palavras chave que tenho CPC maior.

Como usar as Keywords

Neste ponto do campeonato, você já tem uma lista de palavras chaves poderosa. É hora de colocar a mão na massa e alterar os textos do seu site.

Comece pelos títulos. Títulos com números são mais visitados e compartilhados. Por alguma razão neurológica gostamos de listas. Títulos com números e palavras chaves deveriam ser proibidos por competição injusta.  Então, comece fazendo uma página com uma lista de fatores interessantes para seu produto e, coloque uma keyword neste título. Se possível a que tiver o maior CPC

Cabeçalhos são valorizados pelos sites de busca então coloque outra keyword em pelo menos um cabeçalho.

Observe que o excesso de Keywords pode ser penalizado pelos algoritmos de classificação dos sites.

Espalhe as outras pelo texto, notadamente em áreas de destaque. Preocupe-se também com o conteúdo. Mesmo com as recentes modificações do Google, links para o seu conteúdo são indicadores de qualidade e ainda são importantes na determinação do seu posicionamento nos resultados das buscas. O importante é lembrar que ninguém faz um link, comenta ou distribui conteúdo de baixa qualidade. Então, além de Keywords, seu texto tem que ter conteúdo de qualidade.

Não seja afobado. Estabeleça um objetivo viável.

Não espere resultados rápidos. Os algoritmos de classificação demandam alguns dias para classificar seu site e você nem é o único fazendo isso, seja lá o que for, nem o melhor. Então demora. Na maior parte das vezes demora muito. Mas se a estratégia for mantida e acompanhada você vai chegar lá.

O “lá” do parágrafo acima diz respeito ao objetivo que você especificou. Não queira ser o primeiro no Google. Este é o ideal, perseguir o ideal pode ser frustrante. Objetive, por exemplo, aumentar 20% das suas vendas ou, triplicar as visitas no seu site, determine um período de seis meses para isso e insista.

Imagem de: ertoseo

Na verdade, de fato e verdadeira, ninguém sabe como a Internet funciona. Mente quem dizer que sabe. Principalmente por que o que existe agora não existia há cinco minutos. Ainda assim, os pesquisadores tentam. Aceleram as pesquisas e, de vez em quanto, encontram alguma coisa que parece funcionar. O Twitter é um caso clássico. Ferramenta nova, poderosa e desconhecida que fascina a todos pelo potencial disponível mas, poucos são os casos de sucesso de marketing digital usando o Twitter. Nem por isso podemos abrir mão do que já conhecemos.

Twitter como ferramenta de lucro

Imagem de: FindYourSearch

Sua mensagem precisa ser lida

Quantas pessoas você segue? Quantas pessoas seus seguidores seguem? Estas são as primeiras duas perguntas que precisa se fazer. Olhe seu próprio histórico. Você segue 100 pessoas? Cada uma envia uma mensagem por dia? Se respondeu sim as duas perguntas terá, no mínimo 100 mensagens novas a cada dia esperando providências. Outra pergunta importante: Quantas você lê?

O numero médio de pessoas seguida por cada usuário do Twitter está diretamente relacionado a capacidade visualização da sua mensagem. Se seus seguidores seguem muitas pessoas recebem muitas informações e a sua ficará perdida no ruído. Para evitar a perda, re envie a mensagem, ou seja, Retweet!

ReTweet? Quando? Quanto?

Ferramentas como o Timely irão postar seus tweets na hora ideal considerando o número de cliques em cada mensagem e o número de retweets. Parece bom mas não é. Você precisa qualificar e quantificar sua audiência. Precisa saber a média de tweets dos seus seguidores, em que horário. Estas duas informações indicarão a hora mais provável para a postagem dos seus Tweets. O Timely faz isso. O que ele não faz e qualificar seus seguidores de acordo com os interesses deles. Sabendo o interesse você poderá postar o Tweet certo na hora certa para ter o maior retorno. O Timely também não repete seus Tweets e deveria, principalmente no segundo melhor horário.

Recentemente o @parananoar começou a usar o Twitter para divulgar o jornal matutino, local com a @joicehasselman. Ponto, perfeito. Infelizmente o jornal vai ao ar, localmente em Curitiba as 7:30 da manhã. Durante o Jornal os Tweets são inúteis.  Uma estratégia inteligente seria copiar a estratégia da CNN, por exemplo, que coloca os vídeos das matérias online e envia os títulos ao Twitter no começo e fim da tarde. Não vise só os seus seguidores. O uso de hashtags nos títulos permite que as matérias ranqueiem melhor na busca do próprio Tweeter.  É claro que se as matérias forem postadas em um canal do Youtube também aparecerão melhor ranqueadas no Google.

O texto do Tweet importa. Use a ferramenta certa.

Algumas pessoas, jornalistas principalmente, estão usando o Facebook como ferramenta de concentração e distribuição. Não é uma boa ideia. O Facebook, quando envia a mensagem para o Twitter, limita o número de caracteres de forma automática. Isso faz com que a primeira frase do texto seja cortada pelo meio ou que sejam postadas algumas palavras da segunda frase. Em qualquer um dos casos, a mensagem no Twitter chega truncada e ilegível. Em um ambiente com centenas de mensagens as mensagens ilegíveis são, simplesmente, ignoradas. O ideal seria usar uma plataforma só para divulgação. Um blog, por exemplo.

Use o WordPress, você pode integrar o WordPress com o Facebook, com o Twitter, com o Google+  e, praticamente, com todas as redes sociais que existem. A vantagem é que você controla o quê, o como e o por que da integração. Usando WordPress você pode, por exemplo, seguir os conselhos de Hemingway.

O sábio escritor e jornalista costumava desafiar os colegas de redação a contar uma história com seis palavras. Imagine o efeito disso no Twitter. Usando o WordPress Você poderá, determinar que o texto e imagens sejam enviados ao Facebook, um texto especial ao Twitter e, se desejar, um resumo ao Google+ adequando, de forma conveniente e automática o conteúdo à audiência.

O Tweeter é uma rede social

Por incrível que pareça as pessoas esperam um retorno. Então responda, retweet quando citado e nunca, em hipótese alguma deixe de dar atenção aos seus seguidores. Use o próprio Twetter para isso, não importa se você é o presidente da república, cantor de forró ou médico. Seus seguidores esperam que você os responda, cite e compartilhe. Este é o espírito da rede social que vai aumentar seus seguidores, sua influência e seu lucro.

De onde veio tudo isso?

Curioso, eu comecei dizendo que ninguém conhece a Internet e é verdade. Todas as informações e dicas contidas neste artigo foram compiladas de pesquisas científicas divulgadas nos últimos seis meses sobre o Twitter. Faz parte da minha própria pesquisa de mestrado. Espero que seja útil para você. O dePijama já presta serviços de SEO e social marketing há algum tempo e está desenvolvendo uma ferramenta só para análise do impacto das redes sociais na geração de opinião e na tomada de decisão de compra.

Update: Mal postei o artigo e meu telefone tocou… Muito bom o artigo Frank, parabéns… blá .. blá … blá… como avalio meus seguidores? Ooops, faltou esta dica. Use o Foller.me tirando as avaliações profissionais como a que fazemos o Foller.me é a melhor que conheço mas, tem um problema, eles estão atualizando justamente a parte do serviço que permite avaliar os seguidores.

A Internet, apesar das suas várias décadas, ainda é uma grande desconhecida. Os problemas causados por esta falta de conhecimento e intimidade com o meio, processos e metodologias utilizadas na grande rede causa problemas financeiros para as empresas. Principalmente para pequenas e médias empresas, com orçamentos limitados e urgência de vendas.

como ganhar dinheiro na internet

Não é incomum encontrar empresários, empreendedores de mão cheia, capazes de modificar um meio-fio e transformar uma pedra em lucro, incapazes de entender a principal característica da Internet. Ninguém vai ao seu site por acaso.

Um site, para uma empresa, tem as funções de ponto comercial, loja, vitrine, revista, atendimento ao cliente, entre outras, mas não será útil se as pessoas não tiverem como achar sua empresa. Ao contrário de pontos e lojas no mundo real. Na internet o consumidor precisa, ativamente, optar por entrar no seu site, por ver a sua vitrine, por conhecer seus produtos.

Para achar qualquer coisa na Internet, 97% dos usuários de internet no Brasil, irão ao Google. Se seu site não aparece bem colocado no Google, o número de consumidores será reduzido. A técnica utilizada para melhorar a colocação de sites no Google, e em outros sites de busca, é chamada de SEO (Search Engine Otimização ou, em bom português Otimização para sites de busca).

O SEO não é simples, nem rápido e muito menos barato. Demanda tempo, esforço, conhecimento e dinheiro e, além disso, não existe uma receita de sucesso que possa ser utilizada em qualquer situação. Ou seja, trata-se de uma estratégia de longo prazo. Muito parecida com a criação de uma carteira de consumidores recorrentes. Demora, é caro mas compensa.

Para soluções emergenciais, existem ferramentas disponíveis que não devem ser incluídas como estratégia de SEO mas que servem para atrair consumidores para o seu site. PROPAGANDA. Parece brincadeira.

O Google, por exemplo, possui um serviço, o AdWords, que permite que as empresas reservem termos de busca e associem sua marca, ou site, a estes termos de busca. A ideia é simples. Sua empresa vende sapatos azuis de salto alto. Você vai ao AdWords, reserva os termos sapatos, salto alto, sapatos azuis e todos os outros que você conseguir relacionar a sua empresa e, dada uma fórmula secreta do Google, o anúncio de sua empresa irá aparecer na página de busca. O consumidor poderá, então, saber que sua empresa existe e talvez visita-la.

Esta estratégia deve ser considerada como uma estratégia de marketing. As visitas provocadas só existirão durante o tempo da reserva e, assim que a campanha acabar o tráfego no site será reduzido, se não extinto. A estratégia é excelente para lançar um produto, uma promoção ou aumentar as vendas em um determinado período. Possui custo, requer acompanhamento e inteligência de mercado tem tempo limitado e não pode ser considerada como estratégia de SEO.

Uma estratégia de SEO deve ser concebida com base no conteúdo. O site deve conter informações importantes sobre seu produto. Vende geladeiras, discuta o assunto, apresente dicas, pesquisas, ajude o consumidor a decidir, seja imparcial, facilite a discussão entre os usuários e, com o tempo, a colocação da sua empresa irá melhorar.

Vamos, a partir de hoje, discutir SEO, social analytics, social marketing e Internet do ponto de vista do e-commerce, todas as quintas-feiras, aqui mesmo, no DePijama. Aproveite e assine gratuitamente nossa lista e-mails.

Críticas, sugestões, escreva ou comente.

Imagem de: Vectorportal

Nada é mais importante para o sucesso de um site do que um ranqueamento algo no Google. Seja um blog ou um site de e-commerce, todos os administradores deveriam estar preocupados com o tal do SEO (otimização para site de busca, em tradução livre. Não é fácil, nem rápido nem barato mas é indispensável. Os bons amigos do State of Search, publicaram um infográfico com todas as modificações que os algoritmos do Google sofreram desde 1998.

todas as mudanças do google desde 1998

O primeiro passo para conseguir uma boa política de ranqueamento é entender como funciona a coisa responsável por este ranqueamento. Então, leia. Com calma, sem pressa e depois, reflita sobre tudo que já leu sobre SEO, verá que mais da metade é lixo.  Clique na figura ou neste link para ir a página com o infográfico completo.

Dia destes meu amigo Diogo do Macacosmemordam me deu uma aula sobre mídias sociais. Sendo esta minha área de pesquisa, acho que está na hora de retribuir o favor.

Para ter sucesso nas mídias sociais

Até agora só conhecemos dois segredos capazes de fazer alguém ter sucesso nas mídias sociais:

O primeiro vale tanto para o mundo virtual quanto para o mundo real. Se o problema é vender, apareça. Marketing é fundamental e valem todas as regras. Qualifique sua audiência, interaja com seus consumidores e respeite. Respeite muito. Este artigo não é sobre este segredo, nem sobre a necessidade primaz de ter conteúdo em tudo que você faz, principalmente no mundo virtual. Deixo isto para outro artigo mas, se tiver dúvidas, pode começar lendo sobre Content Marketing;

Voltando a vaca fria, o segundo segredo é saber usar a internet e não ser usado por ela. Para isso existem algumas ferramentas que podem diminuir seu esforço e aumentar sua produtividade. Ai vai uma lista atualizada de ferramentas interessantes que podem ser incluídas no que você aprendeu quando leu você e sua rede social.

Buffer, trata-se de um aplicativo que agenda seus artigos para o Twitter, Facebook e Linkedin, para o horário onde você terá maiores chances de ser lido. Ou de que algém interaja com você. Pode ser a diferença entre o ostracismo e o sucesso. Usava, até pouco tempo o Timely. Agora estou esperimentando o Buffer, porque ele tem agendas diferenciadas por serviço e um aplicativo para o Android.

Iftt, o nome é horrível (if this then that, se isso então aquilo) mas a ferramenta é fantástica. Você pode automaitazar praticamente qualquer coisa na internet ao seu favor. Postar no Twitter e Facebook ao mesmo tempo? Fácil. Tudo o que você tem que fazer é escolher o twitter com This e o Facebook como That.  Ou, automatizar o Google Reader e o Google + para postar no Twitter e Facebook? Fácil mas vai precisar do Zipl. Este último, o Zipl, permite que você crie uma feed rss com seus artigos no Google + e com este feed você pode postar no Twitter, Facebook, etc.. usando o iftt. Quer salvar suas imagens do Facebook automaticamente no Dropbox? Já está até pronto lá no Iftt.

bit.ly Este é o melhor compressor de urls disponível por ai. Além de ser muito fácil de integrar com outros serviços como o Buffer, por exemplo, ele apresenta um resumo estatístico dos cliques nos seus links compartilhados, que serve como indicador da sua capacidade de penetração.

O Diogo, citado lá em cima, tem uma empresa especializada em marketing digital, a VI Solutions.

Se você ainda não sabe a coisa mais quente do momento na internet é um novo serviço, com características sociais, que, em pouco mais de um mês passou de 10 milhões para 17 milhões de usuários, segundo a Experian Hitwise uma empresa especializada nessas coisas de entender o que se passa no mundo online via estatísticas. Não é pouca coisa. Imagine o quanto isso pode influenciar seu sucesso online.

O que é Pinterest

Trata-se de um quadro de avisos online, onde você pode pregar (pin) seus recados, destacando as imagens e, seus seguidores, e todo o resto do planeta, podem comentar, re-pregar (repining) ou gostar (like). Pouco espaço para blá-blá-blá e um design lindo que destaca as imagens e acaba capturando os usários pela beleza da coisa. Rápido, simples, eficiente e, por enquanto, nenhum anúncio. Os  anúncios tardam, mas não falham. Obviamente, a imagem que você destacou possui um link que leva direto a uma página de comentários e estatísticas dentro da própria Pinterest e desta página para a página original. Em resumo, trata-se de um “caramba gostei deste artigo” a nível mundial, quase um StumbleUpon sob esteróides.

Para fazer parte da festa, ainda precisa de convite. Você pode tentar direto no www.pinterest.com ou comentar o tweet deste artigo no @depijama, todos os que comentarem e seguirem o @depijama, serão convidados. Só para enfatizar, precisa comentar e seguir!!!

imagem da home da Pinterest

Trata-se de um trabalho sério, feito por gente que entende de internet, basta você arrastar um link para a barra de favoritos do seu navegador e não precisa nem visitar o site para marcar (pin) seus sites preferidos. Basta clicar no dito link que uma janela se abre e pronto, você classifica comenta e distribui a imagem. Quem gostar lhe segue, comenta ou re marca (reprega?? repin??) seu pin (post? destaque?) Deus, nestas horas o português parece mais um código secreto!

A Pinterest é um gerador de tráfico

As pessoas adoram imagens, o Facebook e o Flickr que o digam. Mais que isso. As pessoas gostam de compartilhar. Visualmente é mais fácil, uma imagem é mais importante que 1000 palavras. Não é esse o ditato. Na internet é mais verdade ainda, ninguém tem tempo de ler todos os artigos que são indicados e escolher pela imagem é rápido, simples e divertido. Parou!!!! Preciso me policiar e parar com essa mania de Luiza Helena e usar três adjetivos para tudo.

Pinterest gera mais tráfego que o Google+

Além disso, as imagems acabam servido como fonte de inspiração. Brincando com a esposa mostrei uma foto de umas cenouras especiais para a Páscoa feitas de Cheetos. Dá para Acreditar? De pronto ela tirou a idéia de um artigo e … Pode olhar aqui

Ou seja, se você está na chuva do relacionamento social, é melhor se molhar na Pinterest. É claro que o pobre blogueiro que vos escreve já está lá, assim como a Marta Stuart e mais uma penca de gente antenada.

Como usar a Pinterest

Como já dissse, tem o tal do linkzinho da barra de favoritos. Além disso, existem aplicativos oficiais para o iPhone e iPad e não oficiais para o Android, plugins para o Chrome e Firefox. Eu que sou da área fiquei com o linkzinho, muito oficial, e não quiz me aventurar com plugins, sabe Deus.  Até aqui morreu o Neves, esta é a coisa física. O verdadeiro uso está na alavancagem de tráfico e vendas.

Já existem alguns cases (perdõem o sacrilégio) de sucesso do uso da Pinterest, nos estates e outros exteriores seguidores de Shakespeare:

  1. How Pinterest can be Effective for a Carpentry Blog
  2. Case study: How a UK Flooring Company is using Pinterest
  3. 7 Examples of Brands that Pop on Pinterest
  4. How Chobani Use Pinterest to Sell Yoghurt

Que servem de base para entender o fenômeno antes de arriscar sua amada marquinha em uma nova rede social. Uma vez estudado você deve:

  • Adicionar um botão de Follow me on Pinterest no seu site (Já viu? Aquela coisa discreta no alto desta página? O treco em vermelho!)
  • Promover sua conta no Pinterest nas suas outras redes sociais. Tente achar minha linha do tempo no Facebook e veja o que tem lá.
  • Marque sua presença com um concurso ou promoção. Confesso, eu escrevi estas dicas…
Gente mais esperta que eu, diz que devemos seguir pessoas que nos sigam. Não gosto desta estratégia nem no Twitter, imagine na Pinterest mas, quem sou euzinho, pobre blogueiro para discutir.
Se você realmente pretende usar a rede profissionalmente, se torne um curador, seja especialista em um assunto e as pessoas interessadas vão seguí-lo. Na verdade, esta é a chave para o sucesso e, sem dúvida a Pinterest consolida em uma ferramenta três fortes tendências recentes: Redes Sociais, compartilhamento de imagens e a função de curador. Se conseguir juntar os três terá sucesso. Escolha rápido, os espaços são poucos.
Antes de escolher talvez fosse interessante saber que, na última estatística, 83% dos usuários eram mulheres, estiveram na faculdade e têm entre 35 e 44 anos (pelo menos este é o grupo maior entre as mulheres).  Há um lindo infográfico aqui.
Por último, mas não memos importante, você pode usar a Pinterest só por prazer. Se não me engano foi Bertrand Russel quem disse que o tempo gasto com prazer não é tempo gasto.