A bolsa de ferramentas perdida no espaço em novembro de 2008 finalmente entrou na atmosfera terrestre.

A bolsa perdida pela astronauta Heidimarie Stefanyshyn-Piper em uma caminhada espacial, contendo ferramentas avaliadas em US$100.000,00 (governo é governo) foi dada como destruida na atmosfera terrestre.

rt_shuttle_tool_bag_090804_mnA força aérea americana acompanha 19.000 pedaços de lixo espacial com tamaho maior que 10 cm para evitar colisões com a estação espacial, missões do ônibus espacial e satélites em geral. A bolsa de ferramentas muito maior que isso foi acompanhada com atenção e cuidado.

A maioria dos objetos em órbita acabará por ser desintegrado na reentrada na atmosfera. O problema é que dempendendo da órbita e da velocidade destes objetos essa reentrada pode demorar anos. O choque com um pedaço de lixo espacial é considerado improvável ainda assim, dois satélites se chocaram recentemente e a tripulação da estação espacial foi obrigada a deixar o veículo por causa do risco de colisão com um destes pedaços de lixo.

O que me espantou nessa notícia é o esforço que a Nasa faz para estragar o negõcio dos outros. Todo mundo sabe que essa bolsa caiu há um tempão. Inclusive estava a venda no e-bay.

Cientistas do Laboratório Sandia na Califórnia conseguiram colocar UM MILHÃO de kernels linux rodando ao mesmo tempo para analisar o comportamento de botnets.

Botnet é um termo relacionado a uma rede de software autônomos, frequentemente desenvolvido por criaturas do mal que desejam tornar sua vida um inferno.  Devido a sua característica paralela e multivariável esse tipo de rede é muito difícil de analisar no mundo real.

linux_sandia

Liderados por Ron Minnich (frente) e Don Rudish (fundo) e usando o supercomputador Thunderbird, do próprio Laboratório Sandia, com 4480 servidores Intel Xeon, os cientistas foram capazes de criar um milhão de máquinas virtuais para simular um ambiente real de propagação e atividade de botnets.

Esta simulação permitiu rodar um ambiente equivalente a 10 milhões de máquinas na internet ao mesmo tempo. Agora os pesquisadores estão esperando um computador capaz de rodar 10 milhões de kernels para simular uma rede com 100 milhões de máquinas. Uau!!!

O projeto, com o objetivo de tornar as redes mais seguras estã recebendo patrocínio do próprio Laboratório Sandia e da Administração Americana de Segurança Nuclear. Esta tecnologia, segundo os pesquisadores, citados no artigo original, vai permitir, em algun anos, um grande avanço e campos tão diversos quanto a previsão do tempo e busca de novos remédios.

Notícia Original

Como parte do comprisso da empresa com a redução das emissões de carbono e utilização de materias ecológicamente corretos os laboratórios da Ford Motors na Alemanha estão desenvolvendo um composto orgânico chamado de Madeira Líquida para substituir os plásticos usados em veículos.

Madeira lìquida

O novo processo utiliza restos de madeira ou madeira virgem para produzir um composto ecológicamente correto, bonito, resistente a água e rígido o suficiente para ser utilizado em painéis e partes internas de veículos. Além disso, os estudos preliminares mostram que o composto de madeira líquida pode ser reutilizado em até cinco ciclos de reciclagem, aumentando a vida útil e diminuindo ainda mais o impacto no ambiente.

O material não é novo, o processo de obtenção e utilização é. Até agora essa tecnologia era usada única e exclusivamente para mobiliário de alto luxo para áreas expostas ao clima. O que os laboratórios da Ford criaram é um método mais barato de produzir um material mais adequado as necessidades específicas de veículos.

O cara depijama aplaude esse tipo de composto mas fica com um pé atrás. Quando será que esses laboratórios vão entender que “ecológicamente correto” significa utilizar menos árvores, menos produtos derivados da madeira e não mais.

Notícia Original

Projeto interessante. Meu pai diria que é a melhor idéia de jirico do ano. Tenho quase certeza que quem tentar fazer um destes vai ter sérios problemas de visão, principalmente se tentar acender um cigarro com ele… Ainda assim, o projeto é interessante mas, lembre-se se fizer, faça-o assumindo seus próprios riscos e se ficar cego não me venha com chorumelas. Como você verá no vídeo, o laser pode ser comprado aqui.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Washington apresentou um paper com uma idéia incrível para construir Roma em um dia. Pelo menos em 3D.

O site do projeto começa com a afirmativa;

“faça uma busca por Roma no Flickr e encontrará mais de 2 milhões de fotografias.”

Com essa informação na mão eles resolveram criar uma estrutura de processamento paralelo para baixar as  imagens, encontrar automaticamente pontos de convergência entre elas e produzir um modelo 3d da cidade. Automaticamente. UAU!!!!!

Os filmes já divulgados ainda estão em wireframe mas as possibilidades dessa idéia são quase infinitas. Para ser honesto, essa é uma daquelas idéias simplesmente inevitáveis. Aconteceria mais cedo ou mais trade, de acordo com o progresso da tecnologia. Mesmo assim. UAU!!!

O paper pode ser encontrado aqui.

Em um grande avanço científico, será publicado um estudo da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego onde pesquisadores indicam que é possível regenerar axiônios partidos de forma que estes retornem a sua função original depois de uma lesão na medula espinhal.

Há anos os cientistas acreditam que seja possível regenerar os condutores nervosos da medula espinhal, chamados de axiônios, mas restava uma dúvida. De um lado da medula partida, o lado ligado ao cérebro existem milhões de axiônios, do outro lado, o lado ligado as funções motoras e sensoras do corpo existem outros milhões. Como seria possível regenerar um axion de forma que este encontrasse exatamente a terminação correta.

Usando ratos, os cientistas de Universidade da Califórnia em San Diego conseguiram regenerar alguns axiônios partidos e direcioná-los ao par correto, usando uma espécie de hormônio do crescimento específico do sistema nervoso chamado de neurotrofina-3 (NT-3). A regeneração requer a criação de uma ponte celular na região afetada da medula espinhal para dar suporte físico ao crescimento do axiônio e um estímulo condicionador para ligar os genes certos e forçar o crescimento.

Usando tecnologia de imagem de alta resolução foi possível notar que os axiônios que atingiram o alvo criaram todas as estruturas necessárias a passagem dos impulsos elétricos corretos. Contudo, não ouve atividade elétrica. Aparentemente por que os novos axônios não estão cobertos com mielina a substância gordurosa que serve como isolante elétrico no sistema nervoso.

A regeneração de um axiônio completo é complexa e requer várias fases, apesar da mielina já ter sido criada anteriormente em outras pesquisas o estudo atual é referente apenas ao direcionamento correto dos axiônios partidos. Um grande passo em direção a restauração completa da medula espinhal partida.

A pesquisa foi liderada por Laura Taylor Alto e será publicada no dia 2 de agosto na revista Nature Neuroscience.

Notícia Original

Uma conversa vazada na internet entre o CEO da EEStor, Dick Weir, sugere que estamos para ver uma verdadeira revolução no armazenamento de energia.

A notícia original sabiamente ressalta que uma das coisas menos confiáveis na face do planeta Terra são conversas vazadas na Internet. Contudo, esta me chamou a atenção por tratar-se da EEStor.

Um dos grandes problemas mundiais não é gerar energia, até que estamos bem nesse quesito. O problema é armazenar energia. As baterias que possuímos hoje em dia são pesadas, tóxicas e ineficientes fazendo com que a maior parte da energia gerada que não é imediatamente consumida seja perdida. A tecnologia  da EEStor é uma das tecnologias que competem no mercado de armazenamento de energia. Se confirmadas as previsões de laboratório, conseguiremos armazenar energia a baixo custo, alta eficiência e sem nenhuma toxidade envolvida no produto final.

ultracapacitor

A “conversa vazada” detalha o sucesso do uso dos capacitores construídos com essa tecnologia, para armazenamento de energia em “detalhes excruciantes”.

A EEStor é uma empresa baseada no Texas que desenvolveu um novo tipo de capacitor capaz de armazenar energia suficiente para acionar um pequeno carro por mais de 600Km com um tempo de carga inferior a 10 min. Ou seja, em poucas palavras, o Santo Graal da tecnologia moderna. Pelo menos é isso que eles propagandeiam.

Esta mesma tecnologia poderia ser usada para todos os nossos dispositivos eletrônicos, desde um mero mp3 player até sua casa. 🙂

Desde 2007 que estamos na espera desta tecnologia. A primeira aparição pública foi um fiasco total. Fiasco este atribuído na época ao calor gerado pelos refletores das equipes de TV. Agora, graças a essa “conversa vazada” os sites de ecologia e tecnologia estão em polvorosa especulando e aguardando ansiosos.

O cara depijama vem acompanhando a EESTor desde 2005 com esperança, atenção e inveja. Acompanha também as tecnologias concorrentes baseadas em nanotecnologia de grapheno e nanowires.  Todas essas tecnologias, como não poderia deixar de ser, são mantidas em segredo a sete chaves e tudo o que se sabe são especulações e teorias diversas. As teorias sobre as tecnologias da EEStor são “vazadas” por um blogueiro anônimo desde 2008.

Também em 2008, parte da tecnologia foi patenteada, o que deu ao mercado uma visão de soslaio da tecnologia que esta sendo desenvolvida. Aparentemente a tecnologia consiste de milhares de minúsculos componentes, cada um deles composto de uma dezena de elementos por sua vez compostos de uma centena de camadas de dielétrico de um pó cerâmico de titanato de bário (BaTiO3) envolto em plástico de garrafa PET, impresso sobre eletrodos de alumínio formando um arranjo de capacitores em paralelo.

eesu_eestor

Um capacitor é um componente eletrônico capaz de armazenar cargas elétricas, para isso ele usa duas placas condutoras separadas por um isolante (dielétrico). O valor da capacitância, que pode ser ligado a quantidade de carga armazenada é medida em Farads.

O cara depijama acredita nestas tecnologias. Quando estudava eletrônica, um dos exemplos que seu sabio mestre deu foi o tamanho e um capacitor de um Farad. Disse ele que para termos um capacitor com ar como dielétrico, para obter um farad, e apenas um farad, teríamos que ter placas do tamanho da terra.  Tendo ouvido isso, o cara depijama ficou curioso. Quando trabalhou com vídeocassetes, o cara depijama encontrou capacitores de 30 Farads menores que uma pilha AAA.

O milagre estava no dielétrico. Ar, muito ruim. Tântalo melhor, polimeros cerâmicos, muito melhor. Some-se a isso o fato que o Titanato de Bário é conhecido há algum tempo por suas capacidades dielétricas e que apenas em 2007 os cientistas da Universidade Georgia Tech, Estados Unidos, conseguiram desenvolver uma nova técnica para a criação de filmes de titanato de bário (BaTiO3) usando polímeros especificamente para aumentar a capacidade de armazenamento de carga dos capacitores.

A EEStor alega que conseguiu um dielétrico capaz de produzir capacitores de aproximadamente 40.000 farads. Ou seja, nada demais, nenhuma revolução elétrica, nenhum novo princípio físico. Apenas um material novo e melhor.

O que o cara depijama quer saber agora é onde ele pode comprar ações da EEStor. 🙂