Espaço Ultra profundo. Extraordinário nem começa a definir essa animação

A Nasa divulga outra animação com as imagens obtidas em 2004 de uma região do espaço conhecida como espaço ultra profundo.

Tony Darnell novamente assombra o mundo mostrando com sensibilidade e arte a ciência a meros mortais ocupados demais com os percalços da vida moderna.

Em 2003 a Nasa apontou o Hubble por 10 dias para um espaço completamente vazio. Uma área que aparecia desprovida de qualquer luz em todas as fotos. Nenhum brilho, nenhuma estrela, nada.

Poderia ter sido uma enorme perda de tempo e recursos. Nada havia ali, nada que pudéssemos ver. Finalmente, quando o telescópio foi fechado e as imagens processadas o que surgiu extasiou a humanidade.

Mais de 10000, até então completamente desconhecidas galáxias, apareceram. Cada uma delas com bilhões de estrelas. Uma imagem de 78bilhões de anos luz de distância chamada de Espaço Ultra Profundo. O cara depijama já havia falado disso antes.

Agora, depois de encontrar uma animação da Nasa com essa imagem, Tony nos assombra novamente. Explicando como é possível que em um universo com pouco mais de 13 bilhões de anos de idade podemos ter imagens de galáxias a 78bilhões de anos luz.

Explica que graças ao efeito doppler e o deslocamento para o vermelho provocada pelo movimento da fonte emissora de luz, neste caso as galáxias, podemos calcular não só a distância, mas também a velocidade deste movimento.

Infelizmente só em inglês.