Invisibilidade, demos um passo na direção certa.

No final dos anos sessenta, o mundo foi invadido por uma série de livros e artigos que detalhavam as experiências do governo americano com tecnologia eletromagnética em um navio, com o objetivo de tornar a nau invisível. Os detalhes eram realmente impressionantes, inclusive com depoimentos de sobreviventes. Minha infância foi assombrada por essa possiblidade. Pensando sobre isso, agora, entendo por que gosto tanto de teorias de conspiração.

Hoje, em um site científico respeitável vemos que a coisa da invisibilidade está a caminho.

Um grupo de pesquisadores da Maryland’s A. James Clark School of Engineering: Professor Christopher Davis, cientista pesquisador Igor Smolyaninov e estudandte Yu-Ju Hung, Usaram tecnologia plasmônica para criar o primeiro manto de invisibilidade operacional do planeta terra. Pelo menos em 2D.

Se olharmos as medidas da coisa, sem conhecimento ciêntifico poderemos nos enganar. Eles conseguiram tornar invisível 10 micrômetros de materia opaca. Algo como um décimo de fio de cabelo. Não se deixe enganar é um feito gigantesco.

Opa! Já ia esquecendo. Plasmônica é uma ciência nova. Muito nova.

Quando a luz atinge a superfície de um metal, em determinadas circustâncias, cria uma onda de elëtrons de alta densidade (não os elétrons, as ondas). como essas ondas ( eu já disse que são de alta densidade?) são geradas em freqüências ópticas elas poderão, se Deus quiser e a ciência avançar, carregar muito mais informação do que é possível na eletrônica atual. Um ponto onde a geração dessas ondas ocorre é chamado plasmon.

Bem, o que os caras de Maryland fizeram foi, usando esses plasmons, fazer a luz contornar o objeto de forma que, do ponto de vista do observador o objeto ficasse invisível. Entedeu? A luz contorna o treco então é como se o treco não esteja lá. Se você lembrar da física do ginásio, a tal da refração/reflexão vai perceber que isso não é trivial.

O feito é digno de nota e um passo na direção correta para realizar um sonho dos autores de ficção.

Mas ainda falta muito. A tecnologia utilizada provoca perdas sensíveis na intensidade dos feixes de luz desviados o que provoca uma diferença de luminosidade no lugar onde o objeto se encontra. E por enquanto só em 2D.

Quanto a teoria da conspiração, não se preocupe, deve ser tudo mentira. Mas lembre que o maior trunfo do diabo é convencer a todo mundo que ele não existe.