Ex CTO do OLPC pretende lançar laptop de US$75,00

Standard

Mary Lou Jepsen, recentemente abandonou o OLPC por sua própria compania a Pixel Qi e segundo esse artigo do NY Times, pretende lançar uma linha de Laptops começando em US$75,00.

O objetivo é criar uma linha de produtos de baixo custo e consumo, otimizados para uso em ambientes abertos sob a luz direta do sol. A nova compania deve continuar trabalhando com o OLPC, fornecendo componentes de baixo custo. A Sra. Mary Lou, parece entender do riscado.

Dessa matéria podemos inferir que: O Custo do OLPC é um absurdo. A Sra. Mary Lou sabe algo que o Sr. Negroponte não sabe e que o mercado é mais promissor do que parecia inicialmente.

Não detalhei todos os custos de produção de um sistema desses, até por que isso iria levar uns 4 meses mas, ainda está muito caro. Um bom objetivo seria o preço final de US$50,00 para a mesma capacidade de processamento do OLPC, sem a webcam e rodando o Fedora/Ubuntu/Debian/qualquer coisa com interface padrão.

Provávelmente ficaria mais barato ainda se fosse feito para estudantes usarem no conceito de computação em nuvem Observe que eu não usei a palavra crianças, usei estudantes.

Esse treco, se bem engendrado, poderia ser uma excelente opção para estudantes em geral. Sempre tirando a interface dedicada, o custo ridículo e a ambição de suporte governamental. Um produto, no mercado, como qualquer outro mas voltado para as características de consumo dos pobres, estejam eles no primeiro, segundo ou terceiro mundo.

Então o negócio poderia ser assim: Desenvolve o terminal de acesso e computação com alguma capacidade de armazenamento, digamos 20Gbytes. Cria um serviço online para estudantes e com acesso a serviços gratuítos de armazenamento de dados, fotos, e-mail, vídeos etc. Integra nesse serviço um portal para educação a distância para as escolas e universidades que desejarem e cobra uma taxa irrisória por mês dessas instituições, por aluno. Cria a base de usuários e espera o cofre começar a tilintar. Enquanto isso vai oferencendo um serviço pago aqui e outro alí.

Parou!!! Caramba Frank, que parágrafo inútil. Sem perder muito tempo dá para achar pelo menos uma meia dúzia de sites fazendo isso na internet. Qual é? Você realmente acha que esse é um bom mercado.

Acho, e é verdade, temos vários sites fazendo isso atualmente. Esse é um modelo de negócio válido, baseado no tal de social networking que tanto se fala atualmente. O Problema é que não temos nem um terço da população mundial com acesso a internet, mas esse volume cresce exponencialmente todos os anos. Se não vejamos. Só na china com crescimento de 9.5% ao ano teremos 95 milhões de novos usuários em potencial todos os anos.

A idéia de disponibilizar uma ferramenta de baixo custo na mão dessa população para permitir acesso a serviços pagos e a serviços de relacionamento gratuítos pode criar o maior mercado do século 21.

A Índia sabe disso. O Ministro de Recursos Humanos e Desenvolvimento de lá cravou o preço em US$10,00 e meio mundo riu dele. O fato concreto (não resisto!) é que já estamos falando de US$75,00

Como eu gostaria de ter uns dois ou três milhões de dólares sobrando.

Esse sempre foi meu problema com o OLPC, o custo e o foco completamente distorcido, com essa aura de boa ação.

Não consigo evitar de dizer que já tive uma galinha chamada Mary Lou. Sinto muito, tive mesmo. Culpa da música, mas tive uma galinha da angola chamada Mary Lou lá no sítio que virou um belo de um guisado. O Sr. Negroponte já deve saber, Mary Lou é difícil de encarar, só cozinhando muito em fogo baixo.