Entrevista: Everaldo Canuto, Desenvolvedor Brasileiro na equipe do Mono/Moonlight

Standard
Primeiro, primeiríssimo e antes de qualquer coisa, um esclarecimento: Estou começando uma nova categoria nesse blog, entrevistas. A primeira é com Everaldo Canuto.
Everaldo, além de meu amigo pessoal é também um dos melhores desenvolvedores que conheço. Capaz de programar bem em qualquer linguagem, com qualquer tempo e em qualquer hora. Nos conhecemos há alguns anos em uma Latinoware. Durante uma noitada em que fechamos vários bares da cidade de Foz do Iguaçu, enquanto ele tentava me convencer das vantagens do mono e eu tentava tirá-lo dessa vida de perdição. Ambos com opiniões fortes mais francas, um contra e outro a favor. Com o tempo fomos aprendendo a nos respeitar e esse respeito virou amizade.
Everaldo Canuto na Latinoware
Foto de:  gpoo
Há coisa de oito meses, ele participou de um processo seletivo da Novell e foi contratado para trabalhar no time de desenvolvedores remunerados do Mono. Hoje a equipe conta com dois desenvolvedores brasileiros o Everaldo e o Rodrigo Kumpera.

Com o lançamento do Moonlight resolvi começar a série de entrevistas com ele. Mandei um e-mail com algumas perguntas e, mesmo estando atolado de trabalho e com os prazos mais curtos do mundo ele teve a gentileza de me responder. Entrevista essa que publico a seguir na íntegra e sem edições.

> Antes de qualquer coisa como anda o desenvolvimento Mono?

Eu resumiria em “muito bem”. Hoje com o Mono é possível executar a maioria das aplicações ASP.NET e WinForms 1.1, muitas das aplicações 2.0 também vão bem mas é importante lembrar sempre uma coisa, não é tudo que você faz em .NET que roda em Mono mas também não é tudo que você faz em Mono que vai rodar em .NET. Basicamente temos aí as pequenas peculiaridades entre dois distintos sistemas operacionais.

> O que é o Moonlight?

O Moonlight é uma implementação livre e de código aberto do Silverlight, em geral essa pergunta precede uma outra sobre o que é o Silverlight. Eu já vi várias descrições longas em vários lugares mas para mim a resposta mais simples é “Applets Java + Flash + algumas outras coisas bem legais”, mas isso é só a minha forma de ver.

> Qual foi sua participação no Projeto?

Eu desenvolvi o que chamamos de “plugin”, é o componente que faz a conexão entre a biblioteca do Moonlight e o navegador (no caso o FireFox), também fiz a integração com o Java Script o que possibilitou executar algumas aplicações do Silverlight 1.0.

> Como foi trabalhar nesse desenvolvimento em tempo recorde?

Uma palavra apenas, “divertido!”. Trabalhamos muitos nesses vinte e um dias, até o último momento, mas de forma geral foi bem divertido, o Miguel escreveu em seu blog um “longo resumo” de como foram esses vinte e um dias mas para mim a síntese do que foram esses dias foi quando o Lluis entrou no canal uma manhã e disse: “Ei caras, vocês estão realmente se divertindo!”. Nós estávamos. Acho que o entusiasmo de um acabava impulsionando o entusiasmo do outro.

Desktop

> Como foi a divisão dos trabalhos? Digo quantas equipes para fazer o quê?
Não houve bem uma divisão, cada um tinha uma coisa para fazer e basicamente não sabíamos até onde chegaríamos, tínhamos a parte do “Xaml parser”, o “Plugin” a Biblioteca, a parte de vídeo, mas estava tudo junto e todos as vezes mexiam no mesmo lugar, parando para pensar é incrível como tudo deu certo.

> Qual foi o total de desenvolvedores no projeto?

No blog do Miguel é possível ter mais detalhes mas basicamente foram o Atsushi Enomoto, o Chris Toshok, Jackson Harper, Jeff Stedfast, Miguel, Rolf Bjarne, Sebastien Pouliot e eu, mas os outros da equipe também ajudaram de alguma forma por diversas vezes.

> Como é trabalhar diretamente com o Miguel de Icaza?

Bem, não posso falar mal do meu chefe “né”? (Risos) Mas bem, eu não conheço o Miguel pessoalmente, sempre ouvi pessoas que o conheceram dizer que ele é uma figura fantástica e essa é também a minha opinião, eu tive problemas com meu “hard-disk” e ele é o cara que se preocupa de te ligar e ver o que precisa, é um cara que se preocupa com o bem estar da equipe, ele também é um cara que sabe motivar e ouvir a todos.

Uma coisa que acho legal é que a maioria dos gerentes que já tive não entendem de informática, não sei se é uma coisa do Brasil mas aqui colocam gente de RH, de contabilidade e de administração para gerenciar a informática e acham que está certo, ou colocam um cara que até entende de informática mas não sabe escrever uma linha de código. Já ouvi coisas como “escrever código não é mais para mim”. No caso do Miguel, ele é talvez o melhor programador que temos na equipe, ele programa e muitas vezes nos ajuda em coisas que não sabemos como resolver.

> Como foi fazer a integração com o Firefox?

Divertido mas algumas vezes cansativo, a documentação nas páginas da Mozilla não é muito completa, não tem muitos exemplos e os exemplos que estão nos fontes ou eram simples demais ou usavam a forma antiga de interagir com o navegador. Algumas vezes apanhei até porque não sou um especialista em C++ e os problemas com gerenciamento de memória iam pela noite. Felizmente existem o GDB e o Valgrind.

A integração com o Java Script foi um pouco mais tranqüila porque foi possível ficar testando pequenas aplicações que eram bem legais, fiz um relógio analógico com algumas linhas de código, bem divertido mesmo.

> O que vocês estão planejando para o futuro do Moonlight?

Bem, eu realmente não sei qual o posicionamento da Novell a respeito do Moonlight, então não sei ao certo, pessoalmente eu gostaria de ver o Moonlight mais integrado ao Desktop e não só � Web, assim teríamos aplicações mais atrativas, temos um exemplo que pode ser visto em alguns “screenshots” que mostram o que poderia ser feito por exemplo com o F-Spot (http://www.mono-project.com/Image:Surfacemodified.png). Outra coisa que gostaria que tivéssemos no futuro é uma integração com alguns recursos do XGL, mas uma vez mais, isso é só a minha opinião pessoal.

Como deu para ver, a coisa não foi simples mas, foi divertida e talvez esteja ai o sucesso do trabalho que eles estão realizando. Encontrar prazer naquilo que se faz.

4 thoughts on “Entrevista: Everaldo Canuto, Desenvolvedor Brasileiro na equipe do Mono/Moonlight

  1. Frank Coelho de Alcantara

    Oi Avi, obrigado pelo comentário.

    Eu acredito que ainda teremos muita água para passar por baixo dessa ponte. Minha opinião pessoal é que clientes em Java, Flash, Mono ou .net são e serão úteis apenas para as grandes empresas, onde uma coisa dessas pode, com certeza economizar alguns milhões de dólares. Salvo é claro raríssimas exceções.

    Para a média das empresas e para a maioria absoluta das aplicações online, o que acredito é que teremos mais e mais aplicações baseadas em javascript. Não lí isso em lugar nenhum, portanto é chute. sou capaz de apostar que o pessoal do Firefox, Safari e mesmo do Ie estão trabalhando para integrar bibliotecas como o JQuery e/ou Prototype nos browsers. Diretamente em um só download.

    O nosso problema, meu seu e que qualquer um, é que vemos esse universo limitado pela ótica da nossa miopia. E, como comecei, vamos ter ver muita água passar. Por exemplo eu já vi rumores da liberação da máquina virtual da Microsoft em código livre em uma licença bem democrática. E ai? E se for verdade? nesse caso teremos muito o que comentar. Lembre que até muito pouco tempo o Java era proprietário, e para alguns ainda é.

Comments are closed.