Desculpe. Não fui eu! Foi aquela vaca ali!

Standard

Flatulência bovina é um dos maiores agentes causadores do aquecimento global e pesquisadores correm para encontrar uma solução.

Juro! O problema é peido de boi. Muitos bois e muitos peidos estão contribuindo para o aquecimento global de forma decisiva. Eu tentei encontrar na web os dados de um cientista que há uns 6 anos publicou um trabalho sobre isso e a imprensa mundial caiu de pau no pobre com críticas, charges e a maldade tradicional de quem não entende nada do que está falando. Em Dezembro de 2006 as nações unidas publicaram um estudo de 400 páginas sobre os problemas climáticos criados durante a produção de alimentos e ressaltou o problema da flatulência entre problemas relacionados ao movimento de cargas, produção de fertilizante etc. Foi ai que a coisa mudou e a ciência tradicional começou a levar o peido a sério.

O aquecimento global: Peido de vaca pode ser um fator importante

A flatulência é grave por ser independente da vontade dos governos, produtores, cientistas e primatas em geral. Vacas sáo bichos muito mal educados e não estão nem um pouco preocupadas com a sua flatulência exacerbada.

É mais grave ainda por que o gás emitido pelos bovinos é rico em metano, além de outros gases. Muito metano. Por sua vez o metano é o chefe da turma quando se fala em aquecimento global. Só 22 vezes mais eficiente que o gás carbônico no quesito armazenar calor.

E lá vem a ciência.

Cientistas autrálianos descobriram uma bactéria nos estômagos dos cangurus (imagine!) que impede que os ditos emitam metano quando… como direi… peidam. E agora estão tentando encontrar uma forma de transplantar essa bactéria para os estômagos ou intestinos dos bois e ovelhas para impedir que estes últimos emitam metano quando… bem você já entendeu. 🙂

Na Austrália esse problema já está quantizado e a mesma matéria dá conta que 14% das emissões gases de efeito estufa são originados de bois e ovelhas.

Mas não para por ai. Não.

No Japão, que não é conhecido por sua produção bovina, os cientistas descobriram um composto muito barato que adicionado a ração reduziria a quase nada a emissão de metano pelos pobres animais. Muito barato lá no Japão. O custo aproximado de R$2,00 por dia por cabeça fará qualquer produtor correr louco.

E a Inglaterra também entrou nessa.

Cientistas do País de Gales estão estudando a introdução de alho na alimentação do gado para diminuir a emissão de metano. Aparentemente o alho ataca os micro organismos do intestino responsáveis pela produção do metano.

Não leia isso em voz alta. No Brasil, já temos mais gado que gente (207 Milhões de cabeças em 2005) eles já controlam boa parte do congresso e praticamente toda cadeia alimentar do brasileiro. Nossa percentagem de emissões devido a flatulência do nosso rebanho é tão grande a da Austrália. Não tenha dúvida existe uma vaca mal educada bem perto de você, nem que seja em forma de bife.