Computação com ar comprimido

Standard

Uma equipe da Universidade de  Michigan liderados por Minsoung Rhee e Mark Burns desenvolveram um conjunto de portas lógicas movidos a ar comprimido.

usando ar comprimido para criar um microcomputadorApesar do que pensamos normalmente, álgebra de boole, o coração dos computadores digitais, não tem nenhuma relação com a eletrônica. Para ser específico o pobre do George Boole definiu os conceitos básicos dessa lógica lá pelos meados do século XIX quando ninguém pensava em computadores.

Podemos usar qualquer coisa que represente dois estados distintos como variável booleana. Por exemplo o estado de uma lâmpada (acesa ou apagada), ou a posição de uma peça de lego, ou ainda se há ar comprimido ou não. Essa última  foi a escolha dos Srs. Burns e Rhee (Sr. Burns… eu já ouvi esse nome antes!).

Ann Arbor, identifica sinais binários retirando ar de um cilindro para representar o o e pressionando ar para este mesmo cilindro para representar o zero. Cada válvula pneumática é operada pela troca de pressão de ar na câmara inferior e cada conjunto de válvulas é separado dos outros por uma fina membrana flexível. Quando uma câmara se enche a membrana fecha a válvula superior impedindo que o ar se espalhe. A retirada do ar desta câmara reabre a válvula.

Com esse sistema simples de válvulas foi possível criar as portas lógicas básicas, flip-flops, shift-registres e, finalmente, conectar tudo isso no arranjo correspondente a um micropocessador de 8 bits.

Certamente muito mais lento que qualquer microprocessador eletronico já mais concebido ou criado. Ainda assim, tem seu uso. Distribuição de drogas com avaliação local em ambientes de micro pressão é um deles.

Uma máquina de 8 bits levou o homem a lua, talvez, uma outra de 8 bits movida a ar comprimido revolucione nossa medicina. Ou não. 🙂

Notícia Original