Mais um satélite caíndo

Standard

Angry kitty
Creative Commons License photo credit: Tambako the Jaguar

Nada como terminar a semana com a notícia que um monte de lixo de 3 toneladas pode cair na sua cabeça.

Desta vez é a agência espacial alemã que noticia a queda de um de seus satélites, prevista para novembro. O bichinho pode cair em qualquer um dos países do planeta que estão entre o norte do Canadá e o sul do Chile. Ou seja, em qualquer lugar importante. Segundo a notícia original, o cadente deve se despedaçar em vários pedaços, com um total de 1.6 Toneladas atingindo o solo ou, se tivermos sorte novamente, o meio do oceano.

Não querendo ser chato, já sendo, não seria a hora daquele bando de inúteis da ONU sacarem uma resolução do tipo: “Quem pariu Matheus que o balance”? Digo, se temos a tecnologia para explodir a porcaria de um satélite militar no espaço, por que diabos não explodimos estes lixos em pedaços tão pequenos que não atinjam o solo? Não precisa nem ser em órbita. Esperem o cadente entrar na atmosfera e explodam o bicho.

Cada dia que passa gosto menos de gente desenvolvida!!!

Na frente da Universidade

Standard

Estou lecionando novamente. Desta vez na faculdade Spei, excelente faculdade, om um corpo docente incrível, em Curitiba. Estou na sede do centro, bem na área mais movimentada de Curitiba, o que trás algumas vantagens e algumas desvantagens. Estacionar é um inferno Por outro lado, fica perto de tudo.  Dia destes, a noite, tive uma surpresa.

Quem conhece Curitiba sabe que os governos, como era de se esperar, tentam controlar o trânsito e os problemas de estacionamento com o loteamento do espaço público, criando vagas de estacionamento cobradas em todo o centro. Algumas destas vagas são gratuitas, limitadas em tempo, e outras gratuitas para carga e descarga. Cheguei, as 19:00 quando, por um lado todos os estacionamentos já estão liberados e, por outro, todos os alunos já ocuparam todas as vagas. Bem na frente da faculdade existe um conjunto de três, ou quatro, vagas para carga e descarga. Na hora que cheguei estas vagas estavam liberadas, cheguei a parar o carro mas, vi que eram para carga e descarga e continuei até o estacionamento privado mais próximo, uma quadra de distância. Fui lanchar, comprar um livro e, uma hora depois voltei.

Já ia entrando na faculdade quando notei uma aglomeração. Alguns estudantes haviam colocado os carros nas vagas reservadas para carga e descarga e, por algum milagre, a polícia resolvera rebocar todo mundo. Juntou-se uma pequena turba em torno dos guardas. Nenhum tumulto, apenas comentários velados e ofensas escusas. Entre os revoltados havia um exemplar. Vestindo um blazer, carregando uma maleta e ostentando alvos cabelos longos, se movia entre os revoltosos. Hora incitando a revolta. Hora ofendendo os policiais. Hora questionando o trabalho dos mesmos.

Encostei na porta e fiquei ali, estudando a dinâmica do grupo. entre os policiais, um estava muito nervoso, claramente amedrontado, várias vezes levou, instintivamente a mão ao coldre. Os outros, ignorando as reclamações continuavam inabalados colocando os carros no reboque.  entre os estudantes, nenhum deles proprietário dos carros, e motos, que estavam sendo rebocados. Haviam alguns se divertindo, outros protestando e outros apenas olhando. Destacavam-se os cabelos brancos. Hora em um lugar, hora em outro. Sempre incitando a revolta. Quando encontrava ouvidos moucos se deslocava para outro ponto. Novos xingamentos, novas incitações. Movia-se de forma tão regular que cheguei a achar que fosse o proprietário de um dos carros. De repente, virou em minha direção e disse: Não é um absurdo? Quem é que vai fazer descarga a essa hora? Dei um sorriso amarelo e concordei. Lembrei de um conselho: Melhor não contrariar. Deu minha hora. Entrei.

Sala dos professores, não conheço ninguém. Nunca fui bom em fazer amigos. Biscoito, sempre tem biscoito na sala dos professores, água, banheiro e… surpresa! Cabelos brancos não era um transeunte qualquer era um professor. Sentei no canto e fiquei ouvindo a história contada por ele.

Deve ser por isso que os congressistas brasileiros estão sempre envolvidos em casos de corrupção. Afinal, já que ninguém vai descarregar, por que precisamos obedecer a lei? Não é professor, não é isso que está ensinando?

Bound
photo credit: Tarter Time Photography

Para acompanhar o satélite que cai

Standard

A esta altura do campeonato, você já sabe que um satélite americano está caíndo, de forma descontrolada sobre nossas cabeças. A Nasa, está postando na sua conta de tweeter (#UARS) atualizações. O Google, por outro lado, colocou no ar um serviço que permite seguir o cadente, com alguma precisão. Visite: Uars se como eu, estiver um tanto preocupado. Insista, o serviço está saturando e dando muitos erros.

Neutrinos mais rápidos que a luz

Standard

Desde ontem o mundo da ciência está abalado com uma notícia vinda do CERN. Um dos experimentos com neutrinos indicou que alguns neutrinos foram capazes de viajar a velocidades sutilmente superiores a da luz. A notícia é tão importante que, mesmo sem tempo, resolvi quebrar um pouco o silêncio e escrever sobre isso. Se for comprovado, pode mudar a cara da física.

O que diabos é um neutrino?

Trata-se da menos conhecida partícula fundamental constituinte do universo, segundo o modelo padrão da física. Grande coisa!
A palavra neutrino significa o pequeno nêutron. Uma partícula subatômica, sem carga elétrica, com massa, mínima mas não desprezível, que não é afetado pela força eletromagnética e tem o hábito de viajar a velocidade da luz atravessando tudo em seu caminho sem afetar nada. Conhecido nas esquinas como partícula fantasma, o neutrino é criado no interior dos núcleos estrelares, nas explosões da raios gama e nas supernovas. Pequenino, rápido, imperceptível e cumpridor!

Que experiência foi essa?


Uma das equipes de pesquisa do CERN disparou um feixe de neutrinos em direção a um detector à 730Km de distância na Itália. Estes neutrinos foram detectados. O que por sí só merece comemoração. Estes neutrinos percorreram este espaço em um tempo 60 nano segundos menor que o tempo necessário para percorrer esta mesma distância na velocidade da luz. UAU1! Estes neutrinos viajaram 730km dentro da crosta terrestre mais rápido que a luz. Na escala da velocidade da luz, estes 60 nano segundos, significam que alguns neutrinos percorreriam alguma coisa perto de 1.8 metro a mais, no mesmo espaço de tempo. UAU2!!! Estes neutrinos foram mais velozes que a luz!!!

Por que isto é tão importante?

Desde 1905, quando Einstein postulou que a velocidade da luz é independente do observador e, consequentemente,  constante em qualquer ponto do universo. Que todos que tem qualquer veia científica odeiam este limite. Este limite, salvo atalhos e mutretas, garante que  as viagens espaciais jamais serão possíveis.

Então, em resumo…

Os pesquisadores do CERN pegaram centenas de milhões de neutrinos, lançaram estes pobre coitados diretamente no alvo. Alvo este que captou dois ou três neutrinos por dezena de milhão. E, com isso, mediu-se um erro de 60 nano segundos. Não fosse o CERN, nem estaríamos falando sobre isso.
O CERN é um dos mais, senão o mais, respeitado centro de pesquisas desta pequena rocha. O paper é filosoficamente impecável, assinado por uns 50 pesquisadores de umas 30 instituições de renome é um relato seguro de uma experiência que pode mudar tudo o que conhecemos na física desde 1905 (toda a teoria da relatividade e toda física de partículas serão abalados). A conclusão do paper, deveria entrar para os anais da ciência e virar texto obrigatório em toda as turmas da disciplina de metodologia da pesquisa cientifica. Em resumo a conclusão é: Nossa equipe é séria, o experimento foi refeito várias vezes, verificamos todos os procedimentos de teste e todos os equipamentos, temos certeza do que achamos mas não dá para bater o martelo. TEMOS QUE CONTINUAR PESQUISANDO PARA ENTENDER O QUE DIABOS É ISSO!!!

Dica de documentário Imperdível

Standard

Meu bom amigo Marco Konopacki, estará lançando seu documentário Konopacki, Um imigrante polonês no Brasil, no dia 28 de setembro de 2011 no Museu Guido Viaro, Rua XV de Novembro, 1348. Trata-se, como vocês já devem ter percebido, da história da família dele, em Curitiba e, por tabela uma história de todos nós que vivemos nesta linda cidade. NÃO PERCA!